Existe democracia no reino de Deus?

Quando pensamos nos países da atualidade que ainda mantém um regime monárquico absoluto (Ex.: Emiratos Árabes, Qatar, Suazilândia), percebemos que eles possuem um tipo de governo onde a pessoa de maior poder é o rei e sobre ele está tanto o judiciário quanto o legislativo. Cabe ao rei decidir sobre tudo e a última palavra é sempre dele.

As pessoas dessas nações não têm dificuldade em obedecer seus líderes. Para eles o princípio de autoridade é cultural. A pessoa nasce e cresce com essa mentalidade. Quero abrir um parêntesis e esclarecer que não sou a favor do que os monarcas ou soberanos fazem para ter e manter tal poder.

No nosso mundo ocidental, dentro de toda democracia e liberdade que é pregada por tal, temos dificuldade de nos sujeitar às leis e regras que nos são colocadas por nossos governantes, pessoas que nós mesmos elegemos. Isso não é culpa só da impunidade que impera nos países em desenvolvimento, mas principalmente porque nossa cultura permite julgarmos a nós mesmos a tal ponto de muitos acreditarem que estão certos, mesmo fazendo coisas erradas.

O Reino de Deus não é democrático. É absoluto. É difícil entender o Reino de Deus com nossa mentalidade democrática, porque o Reino de Deus é exatamente isso: um Reino. As leis de Deus não são suplantadas, nem sujeitas a plebiscito, votação ou eleição.

Nós vivemos neste mundo, mas não pertencemos a ele. O evangelho de João 15.19 fala que: “Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia”. Também em Filipenses 3.20 fala que nossa pátria está nos céus.

No Reino de Deus não existe relativismo. Ou é, ou não é. O governo de Deus não é “do povo, para o povo, e pelo povo” como ouvimos por aí. Ele nos criou para Sua glória e somos criação dEle. Tudo é voltado para Ele. Se entendermos isso, entenderemos que só existe proteção e cuidado debaixo de suas diretrizes e de seu Reinado. Quando obedecemos a Deus cremos que ele está certo, mesmo quando as situações e circunstâncias queiram nos convencer do contrário.

Jó 36.11-12 diz: “Se o ouvirem, e o servirem, acabarão seus dias em prosperidade, e os seus anos em delícias. Mas se não o ouvirem, à espada serão passados, e expirarão sem conhecimento”. Perceba que a proteção está na nossa submissão através da obediência à Sua autoridade. E também existe a perda da proteção quando somos insubmissos.

Li uma frase de um livro que diz: “Existe liberdade na submissão e escravidão na rebelião”. Com essa frase medite em Romanos 13.1-2, pense nas tuas atitudes da última semana e veja se você tem pecado por insubmissão não só contra Deus, mas contra toda autoridade colocada sobre você. Coloque sua cabeça à prova, inclusive nos “pequenos” pecados.

“Antes de me submeter a uma autoridade delegada por Deus, preciso entender que essa autoridade herdou de Deus tal autoridade. Nosso relacionamento com Deus está baseado nessa verdade. Se reconhecermos e praticarmos essa verdade, acharemos autoridade em todos os lugares e assim sendo submissos a Deus poderemos ser usados por Ele”. (Spiritual Authority – New York: Christian Fellowship Publishers, 1972).

Samuel e Débora Costa
Colaboradores, Palestrantes e Treinadores da UDF.
www.samueledebora.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *